Alfândega! E agora???

 

alfândega

Uma das maiores preocupações de quem está viajando para fazer o enxoval do bebê nos EUA é a temida e famigerada alfândega! Gente, vocês não fazem ideia de quantas mensagens nós recebemos todos os dias de pessoas querendo saber como não passar aperto na hora de passar pela alfândega com as compras do enxoval. “O que eu faço pra não ser parada”? “Se me pararem vão cobrar pelos itens do enxoval”? “Que tipos de bagagens são mais visados pelos agentes”? E a resposta para todas as perguntas é a mesma: depende!

Muita coisa mudou nos últimos 2 anos e os agentes têm sido cada vez mais inflexíveis. Antes, produtos trazidos para enxoval de bebê eram liberados e os casais não precisavam pagar impostos pela entrada desses produtos no Brasil. Mas as coisas realmente mudaram e estão taxando tudo!!!! Por isso, recomendamos que vocês sejam o mais prudentes e conservadores possível nessa questão. Vamos colocar as dicas sobre alfândega em tópicos, pra ficar mais fácil de vocês se organizarem:

  • A cota para trazer em produtos dos EUA é de U$ 500,00. Você tem mais U$ 500,00 de cota para utilizar no Duty Free do Brasil no seu retorno;
  • Recomendamos que vocês declarem os ítens que excederem a cota. Tudo o que vocês comprarem entra na cota, então coloquem na cota os ítens menos chamativos e declarem no excedente aqueles que chamarem mais atenção, como carrinho, cadeirinha de alimentação, etc. Recomendamos que tudo o que exceder a cota seja realmente declarado, pois o imposto cobrado corresponderá a 50% do valor dos ítens. Se não declararem e forem parados, o imposto cobrado será equivalente a 100% do valor dos ítens! Achamos que não vale o risco;
  • Levar parentes e amigos na viagem pode ser uma boa idéia, pois vocês podem “pegar carona” na cota deles;
  • Cuidado com quantidade de itens iguais, devem ser MENOS que 10!!!!
  • Apenas para reforçar, a multa para quem for pego na alfândega e NÃO declarar é muito alta, ou seja, não vale à pena arriscar! O transtorno é muito grande!!!
  • Para efetuar o pagamento do imposto, é aceito apenas cartao de debito ou dinheiro;
  • Se estiverem fazendo conexão e tiverem bagagens frágeis, que foram enroladas no Protect Bag, recomendamos que antes do novo check in enrolem de novo;
  • Por fim, confiram a sua bagagem ainda no desembarque, porque se vocês perceberem que tem alguma coisa errada já fora do aeroporto, a cia aérea NÃO se responsabiliza!!!!!

Enfim, talvez algumas pessoas tenham imaginado que o nosso post sobre a alfândega fosse ensinar “macetes” para não ser parado ou não ter que pagar o imposto. Mas quem já nos acompanha nos conhece o suficiente pra saber que temos um compromisso com as coisas que consideramos corretas. Não existe nenhuma forma dentro da legalidade que nos isente de pagar os impostos quando trazemos produtos de fora para o país. Alguns resolvem arriscar e às vezes conseguem. Outros acabam pagando um preço alto. Nós mesmos, sempre declaramos tudo quando vamos e voltamos! Além disso, não colocaríamos nada aqui que pudesse colocar vocês em situação de risco, queremos que façam uma viagem ótima, proveitosa, tranquila, e que tenham um retorno tranquilo também! 😉

Não deixem de ver também o nosso post sobre o desafio das bagagens!! Para visualizar o post, clique aqui!

8 ideias sobre “Alfândega! E agora???

  1. Ângelo Luis Lopes Mello

    Itens de vestuário, até 20 unidades, são isentos. Mas, na prática, nunca vi fiscal da receitar abrir mala que só tem roupa . Em outubro eu passei pela alfândega com o enxoval do Luis, muito mais de 20 itens, e foi tranquilo. Declarei os produtos como babá eletrônica, esterilizador de mamadeira, travel system etc. Mas na hora H o fiscal só cobrou o imposto do travel system que custou 500 euros (mais ou menos 650 dólares na época) e desconsiderou os outros itens. Então paguei apenas o imposto sobre os 150 dólares excedentes. Vale lembrar que o objetivo da Receita é pegar muambeiros e os fiscais costumam ser complacentes com pessoas que fazem compras “normais”. Em outra viagem internacional, quando câmeras fotográficas não eram isentas, eu fui o único do meu vôo a ir pra fila dos com imposto a pagar (tinha comprado uma câmera cara) e o fiscal me liberou sem cobrar nada e foi fazer pente fino nos “espertos” que estavam na fila do “nada a declarar”. Mas é claro que varia de fiscal pra fiscal. Tem cara que pega no pé absurdamente. E vôo vindo da Europa é menos visado que vôo vindo dos EUA.

    Ademais, segue uma lista dos produtos isentos e suas quantidades, de acordo com uma norma de 2 anos atrás:
    Até 20 unidades (sendo três idênticos)
    – Sapatos (tênis, saltos)
    – Perfumes
    – Muletas
    – Produtos de beleza
    – Produtos de higiene
    – Acessórios
    – Jóias
    – Roupas
    – Itens inferiores a US$ 10 (até dez idênticos)

    Uma unidade:
    – Celular (bateria e acessórios)
    – Câmera fotográfica
    – Relógio

    12 litros de Bebidas alcoólicas
    10 maços de cigarros
    25 charutos ou cigarrilhas
    250 gramas de tabaco

    Responder
  2. Bia

    Parabéns pelo post!
    Quando conto para as pessoas que meu marido tentou declarar o carrinho, a reação delas é perguntar “por que” com uma cara de espanto! Como se estivéssemos fazendo algo errado!
    Por curiosidade, deixaram ele passar sem precisar pagar, eram 3 pessoas com poucas compras e poucas malas além do fator honestidade que deve ter contado…
    Concluindo… ter e incentivar a atitude correta é o melhor que podemos fazer para tentar criar um mundo melhor para nossos filhos!
    Abs.

    Responder
    1. Fernanda Leony

      Oi Bia!
      Obrigada!
      Recomendamos sempre devlarar o que ultrapassar da cota!
      Já pensou se o seu marido não declara e o fiscal resolve taxa-lo? Nossa… A multa de mais 50% iria encarecer bastante!
      Parabéns para o seu marido Bia!!!!
      Super beijo!!!

      Responder
  3. Pingback: O Desafio das Bagagens! | Compras Baby

  4. Noiva na Balança!

    Olá pessoal!

    Queria deixar claro que não há truques, estratégias ou macetes em relação à alfandega! Cheguei de Miami ontem com enxoval de bebê e gravida e fomos declarar o carrinho, mesmo pq não compramos tanta coisa assim que justificaria declararmos cada item. Trouxemos ainda pouca bagagem. O primeiro fiscal que nos atendeu foi super bacana e nos orientou pagar a guia para seguirmos. Do nada chegou uma outra fiscal fazendo ameaças e dizendo que deviamos declarar tudo novo que adquirimos e queria de qualquer jeito abrir as malas.
    Passaram as malas pelo raio x e a fiscal pressionou tanto que mandaram as malas para a mesa para serem abertas. Era nitido que o primeiro fiscal nao estava de acordo com isso,tanto que enfatizava que éramos declarantes e não fiscalizados. O fiscal ameaçava que iria estimar um valor se não a brincadeira ia sair muito mais cara para nós. Mostramos as notas e ainda tivemos que ouvir que não era possivel termos ido à Miami para comprar “só” isso. No final o fiscal ficou com preguiça de abrir as malas e disse que estava quebrando nosso galho porque eu estava grávida. Conclusão: a impressão que tive foi a de que os fiscais querem forçar a barra de qualquer jeito, mesmo quando Vc está de boa-fé como declarante. Te tratam de maneira grosseira e como se fossemos criminosos. Não há regras ou padrões. Tudo depende do humor do fiscal, infelizmente.

    Responder
    1. Compras Baby

      Pois é, Tassia, é muito complicado mesmo. Por isso, independente de qualquer coisa, recomendamos evitar correr qualquer tipo de risco, mas a decisão é sempre de cada um rsrs.

      Muuuuuito obrigado por seu depoimento, com certeza vai ajudar bastante as mamães e papais que ainda irão viajar.

      Felicidades pra você, pro maridão e pro bebezinho!!!!

      Diogo

      Responder
    2. Simone

      Nossa…
      Realmente acho que alguns fiscais tentam fazer pressão psicologica para você ficar com medo, voltar e declarar um valor maior… Absurdo!
      Você estava chegando em qual estado, “Noiva na Balança”?
      Estou indo para Miami dia 30/11 e estou om receio depois da sua declaração . rs

      Responder
      1. Compras Baby

        Realmente, Simone, isso varia de estado pra estado, e mesmo de profissional para profissional. Quando voltamos com o nosso enxoval, fomos super bem tratados.
        E você, vem por qual estado??

        Tudo de melhor pra vocês na viagem e sempre!!!!!!

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *